.

Edição 111



O Fashion Rio terminou no último sábado, o assunto do final-de-semana nas rodas de conversa cariocas foi: as tendências para o outono/inverno/2006. Por onde nossa equipe passa, somos abordados com a mesma pergunta: Diz aí, o que vai usar no inverno? A partir de agora, inspire-se nesta mulher, a Rainha Victoria. Mas, ela é muito feia, Vasconcellos, cruzes. Feia, mas fonte de inspiração na moda européia e agora na moda brasileira. O que se viu, literalmente, no Fashion Rio, foi a influência do estilo vitoriano, com traços do monástico e ainda um ar que sopra do Japão e da China. Entendeu? Acompanhe nossa viagem.



O Fashion Rio é imperial – Paralelamente ao Fashion Rio, acontece o Fashion Business, ali é que está o dinheiro, é onde os negócios são feitos. As grifes expõem seus produtos para compradores nacionais e internacionais. A marca Blue Banana, de Belo Horizonte, soube captar como ninguém o estilo vitoriano. As roupas do século XXI parecem voltar ao tempo dos reis, rainhas e princesas. Não é à toa que o slogan da grife é luxo excêntrico.
Fotos: Marcelo O'Reilly
 
O Fashion Rio é oriental Além do vitoriano, forte nesta edição do Fashion Rio foram os ventos do oriente. Walter Rodrigues se inspirou no Japão e Marcela Virzi na China.
Fotos: Marcio Madeira - Divulgação Fashion Rio
 
Acima: O Japão segundo Walter Rodrigues. Abaixo: Marcella Virzi e seu olhar sobre a China
 

O Fashion Rio é espiritual – De vez em quando, é bom pararmos um pouco para meditar e, por que não, rezar. Assim, aliviamos a vaidade tão inerente aos que trabalham com moda. As jóias em borracha do estilista Marzio Fiorini trazem palavras simpáticas como “carioca”, Rio de Janeiro”, “Senhor do Bonfim” e ainda pulseiras com orações como o Pai Nosso e a Ave Maria.

Fotos: Marcelo O'Reilly
O Fashion Rio é espiritual e regional – No dia de Nosso Senhor do Bonfim, os estilistas da Bahia que estavam no Rio apresentando suas coleções no Fashion Business, se vestiram à caráter: de branco como manda a tradição, e nos pés, a inovação, sandálias criadas na hora com as fitinhas em homenagem ao santo.
Fotos: Marcelo O'Reilly
 
Fotos: Marcelo O'Reilly
O Fashion Rio é sensual – Ela é a mulher mais sensual do Rio. Geisa Lobosco é estilista de Nova Friburgo, cidade a três horas da capital, sede do Pólo de Moda Íntima do Estado. Suas criações misturam o ingênuo e o explícito, o sagrado e o profano. Para o inverno 2006, Geisa diz que a lingerie terá inspiração no religioso, quem sabe uma cruzinha no sutiã ou um broche de santo.
 
O Fashion Rio é horticultural – Eloysa Simão, diretora-geral do Fashion Rio, decretou a volta do homem à natureza. A jornalista destacou, em entrevista coletiva, que o homem de hoje passa muito tempo diante do computador, daí o tema horticultural, eleito para esta edição da semana de moda carioca. O Fashion Rio teve dois momentos horticulturais, digamos assim. O lançamento do projeto Costura Brasil, quando as modelos subiram em árvores para mostrar os modelitos e o desfile da grife Alessa, no meio de um supermercado.
Fotos: Marcelo O'Reilly
 
 
O Fashion Rio é emocional – No Fashion Rio, é bom esquecer a isenção jornalística. Há jornalistas, anônimos e celebridades que choram, esperneiam, emocionam-se. Quem esperneia, normalmente, é porque teve o ego ferido, queria sentar na primeira fila, mas alguém julgou que seu lugar não era ali. Como não? Sou a rainha da Inglaterra, diriam alguns. Quem apenas chora, é porque se emocionou com algum conceito exibido nas passarelas. Lula Rodrigues, especialista em moda masculina, é desses que vibram com os desfiles. Na foto, uma pausa para o momento professor-aluna. Lula me dá uma aula sobre a calça dhoti, segundo ele, o preconceito ficou no século XX, portanto, daqui para a frente, todos os homens antenados do planeta terão uma dhoti em seus armários. Outro momento emocional é a escolha da roupa. Saiba que até nós, jornalistas, sentimos aquela insegurança, aquele friozinho na barriga quanto à roupa certa para cobrir as semanas de moda. Quem abalou Bangu, Botafogo e Belford Roxo nesta edição do Fashion Rio foi a pesquisadora de moda, Paula Acioli. Em plena sexta-feira, 13, Paula compareceu aos desfiles vestindo um legítimo Pucci, com uma roupa autêntica do costureiro italiano, não há azar que resista.
Fotos: Marcelo O'Reilly
 
O Fashion Rio é angelical e “felomenal” Depois da maratona de desfiles, é hora de liberar as fantasias. Ihh, Vasconcellos!! Não me refiro às fantasias sexuais, mas sim, às fantasias infantis e da adolescência. Em pleno Fashion Rio, era possível voltar a ser criança. Dois estandes nos proporcionavam este momento angelical: Lilica Ripilica e o da boneca Barbie. No lounge da marca de roupas infantis, cuja logomarca é uma simpática coala, havia brigadeiros, bolos e biscoitos (tudo de verdade!). No estande da Barbie, todas as mulheres do planeta Fashion Rio se renderam à lourinha. Mico ou não, veja a emoção das jornalistas Flávia Vasconcellos e Gilda Chataignier, da revista Caras, em seus momentos Barbie.
Fotos: Marcelo O'Reilly
  
  
Na próxima edição, as novidades da São Paulo Fashion Week. Terça-feira é o dia de nosso encontro marcado. Tchau e até lá!
E-mails para esta coluna: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Colaboração:
Maria Contreras e Paula Leite (de Brasília)
Virgil Christine (da França)

 

 

Leia também as outras edições

.

Sobre Flávia

flávia-new siteFlávia Vasconcellos já viu reis e rainhas, é jornalista, editora-chefe e colunista do site Falando de Moda.
Saiba mais...

Parceiros

banneratalhocultura120