.

Edição 31

Aguçando os sentidos – Esta edição da coluna começa diferente. Para desfrutá-la, é necessário seguir algumas instruções. Número 1- Aproxime-se da tela do computador. Instrução número 2 – Inspire bem fundo. Instrução número 3 - Feche os olhos e boa viagem ao mundo do perfume de nicho. A coluna sempre antecipa os lançamentos na área de perfumaria, mas este perfume do qual vamos falar não é, exatamente, uma novidade. As maisons de perfumes de nicho são antigas, algumas passam de pai para filho sobrevivendo aos séculos. E o que é afinal esse perfume de nicho, Vasconcellos, esta jóia rara? Só pela embalagem podemos notar que trata-se, de fato, de uma jóia rara, poucos a têm. Os perfumes de nicho são feitos em edições limitadas, em locais discretos e poucos conhecidos. Não adianta, você não os encontrará nem naquelas lojas de cosméticos chiquérrimas dos melhores shoppings do país. O perfume de nicho deve ser vendido em, no máximo, 200 lojas em todo o mundo e a tiragem de uma fragrância não deve ser superior a mil unidades. Uma das maisons de perfume de nicho, a inglesa Creed, foi fundada em 1760 e ficou famosa por criar um perfume para a rainha Vitória. Nos dias atuais, o perfumista Olivier Creed cobra até 34 mil dólares para criar uma fragrância personalizada. Os perfumes de nicho da marca francesa Annick Goutal são vendidos no Brasil e podem ser encontrados na joalheira H. Stern e na boutique Daslu de São Paulo. O clássico Eau d´Hadrien da marca custa 1300 dólares.

Saraaado! – Ele também não deixa de ser uma jóia rara, como os perfumes mostrados acima. Blaine é surfista, saradão, enfim um garotão arrasa quarteirão. O novo namorado da boneca Barbie começa a ser vendido em agosto nos Estados Unidos e vai custar cerca de 15 dólares. Para quem anda com saudade de Ken, o ex de Barbie, a Mattel, empresa fabricante dos bonecos, garante que Barbie e Ken continuam bons amigos e vão contracenar juntos em um filme.

Falando de Moda – Julho já começou, o mês das férias e do descanso será louvado entre os amantes da moda, que estiveram com a agenda lotada nessas últimas duas semanas. O mês que passou, junho, foi o mês da São Paulo Fashion Week e ainda do Fashion Rio, os dois maiores eventos de moda brasileiros. A coluna Falando de Moda revela, com exclusividade, porque certas personalidades do jet set internacional adoram assistir e participar dos desfiles cariocas. Luiza Brunet terá participado e assistido a incontáveis desfiles de moda durante sua vida. Qual a graça, então, de continuar freqüentando os eventos de moda? A ex-modelo e agora empresária conta que, hoje em dia, o coração já não bate mais forte quando assiste a um desfile, mas que participa dos eventos como o Fashion Rio com curiosidade. Luiza alerta que não devemos usar tudo o que as modelos vestem nas passarelas, devemos adequar a roupa a nosso corpo, nosso estilo. Em pose de bacana, sendo maquiada no stand da L´Oréal no Fashion Rio, a ex-modelo mostra que adequou um ícone da religião católica, o terço, à modernidade dos telefones celulares. Repare no celular de Luiza que carrega um tercinho pendurado. Das passarelas para as livrarias, Luiza fez no Fashion Rio o pré-lançamento de seu livro “Luiza Brunet: uma mulher brasileira”. A obra, resultado de uma conversa de seis meses com a jornalista Iesa Rodrigues, deve chegar às lojas em setembro.
Fotos: Alejandro Truman

E quanto à filhota?Será que o coração de mãe bate mais forte ao ver a filha, Yasmin Brunet, nas passarelas? A empresária diz que assiste aos desfiles de Yasmin com profissionalismo e chega a fazer críticas ao desempenho da filha, dizendo claramente em alto e bom som frases como: “Você não está bem.” Curiosamente, o dia em que a coluna entrevistou mãe e filha deve ter sido um dia como esse. Yasmin revela que gosta dos toques da mãe quanto ao seu desempenho nas passarelas, naquele dia confessou que Luiza disse que ela, Yasmin, estava com ar de cansada. Ufa, também pudera, a jovem modelo participou de 12 desfiles na São Paulo Fashion Week e de outros 12 no Fashion Rio.

Foto: Alejandro Truman
Senhora do Destino – A personagem Josefa, de Marília Gabriela, na novela Senhora do Destino da Rede Globo, foi amplamente comentada nos salões de beleza da cidade. Nos papos de manicure, os elogios à performance da jornalista como atriz eram unânimes. Que carão, que pose de bacana Josefa tinha. Digo tinha, pois a personagem já morreu na novela. No Fashion Rio, carão e pose de bacana tinha Carmen Mayring Veiga. A socialiate do jet set internacional foi conferir de perto o desfile da grife Patrícia Viera. A grife, não tão conhecida entre nós, é adorada e idolatrada em Nova York, por exemplo, sendo vendida na loja Barney´s. Patrícia borda e pinta roupas em couro artesanalmente. Na foto, Antônia, filha de Carmen, veste um blazer da grife. No armário de Carmen, há peças legítimas das melhores grifes internacionais do mundo, por que motivos, então, Carmen se importaria com um desfile do Fashion Rio? Em entrevista exclusiva à coluna disse: “- Acho que você não pode parar. Tem que estar sempre up to date”. Com um look mais atual do que muitos moderninhos de plantão, Carmen foi a Senhora do Destino desta edição do Fashion Rio. Mais chique do que ela, ninguém, eu garanto!
Fotos: Alejandro Truman
Ela é carioca – Na verdade, a top model Isabeli Fontana nasceu em Curitiba, Paraná. No entanto, Isabeli parece uma garota carioca suingue sangue bom. A modelo brasileira, que já desfilou para grifes internacionais como Dolce e Gabbana, Versace e Chanel, diz que prefere desfilar em uma cidade onde há praia, como o Rio. Conta que o público brasileiro é mais grato do que o europeu, por exemplo. Isabeli é casada com o modelo Álvaro Jacomossi. O casal tem um filho de 1 ano e 3 meses, Zion ( pronuncia-se “Záion"), que já faz participações nos desfiles. Nas fotos ao lado, Isabeli em desfile da grife Santa Ephigênia e a família unida no desfile da grife Tessuti.
Fotos: Leonardo Aversa e Reuters
Fotos: Alejandro Truman

Abalou geral – O último desfile do Fashion Rio deixou na boca um gosto de quero mais. O desfile da grife Rygy de moda praia foi super hiper animado. Os estilistas deveriam aprender com Zilda Aragão, diretora-geral da grife, como realizar um desfile. A passarela transformou-se em palco para o show da grife. Todas as tops brasileiras internacionais do momento, com exceção de Gisele Bündchen, desfilaram para a marca. Adriane Galisteu mostrou que está saradíssima, foi a sensação do desfile. Mas, o público vibrou pra valer com a entrada dos homens: fortões, sarados, pegando pesado. A estilista colocou até fisiculturistas para enfeitar a passagem das modelos. Com o encerramento da São Paulo Fashion Week e do Fashion Rio, já podemos ter uma idéia do que estará nas lojas no verão 2005. Os biquínis desconjuntados, ou seja, calcinha diferente do sutiã vão continuar. As calcinhas estão maiores, em nenhum desfile apareceu o fio dental. Muita cor, estampas florais, e ainda estampas infantis estarão nas praias brasileiras.

Fotos: Francisco Silva
Fotos: Francisco Silva
Fotos: Leonardo Aversa

Léxico – A pequena história que contarei a seguir data dos idos de 1980, mas ainda é muito atual. Certa feita, a faxineira de uma grande amiga disse: “- Ô, dona, o português eu num falo muito bem, não, mas o latim e o ingrêis eu domino”. Nunca foi tão necessário em nossas vidas dominar o ingrêis, ou melhor, o inglês. Na linguagem do mundo da moda, que francês, que nada, só se fala inglês. Ao chegar ao MAM, o local dos desfiles do Fashion Rio, a assessora de imprensa, foi logo me perguntando: “- Quer fazer o backstage da Santa Ephigênia?” Ainda bem que fui professora de inglês antes de me tornar jornalista, pois, do contrário, correria o risco de não entender a pergunta da assessora que significa: “- Você gostaria de cobrir os bastidores do desfile da marca Santa Ephigênia?”

Aos cinéfilos de plantão – Para descansar da maratona de desfiles, a coluna recomenda o filme “Primavera, verão, outono, inverno...e primavera”. O filme coreano mostra que somos responsáveis por nossas próprias vidas, nossos atos. Apesar da narrativa lenta, o filme não é nem um pouco tedioso. Salve a belíssima paisagem, onde se podem ver imagens das quatro estações, que, no filme, simbolizam a passagem do tempo na vida dos personagens.
Na próxima edição, por que será que amamos o garoto mais feinho da escola, o mais desajeitado do bairro, o mais tímido da empresa? Enfim, ele é feinho, mas é o amor de sua vida. Você vai entender melhor seu coração na semana que vem. Tchau e até lá!

Colaboração:
Luciano Negreiros (Especial para esta edição)
Maria Contreras e Paula Leite (de Brasília)
Florian Béthuleau e Stephane Serrier (da França)
Rosa Castellano (da Itália)

 

 

Leia também as outras edições

.

Sobre Flávia

flávia-new siteFlávia Vasconcellos já viu reis e rainhas, é jornalista, editora-chefe e colunista do site Falando de Moda.
Saiba mais...

Parceiros

banneratalhocultura120